Distinguindo tradução geral e técnica

Você está aqui:Início-Carreira, Mercado de Trabalho-Distinguindo tradução geral e técnica

A tradução é uma profissão que, podendo não estar em demanda crescente na quantidade de profissionais necessários, está em demanda na especialização. Mesmo não dispondo aqui de números atualizados, é provável que sua necessidade esteja aumentando. A internet veio fazer crescer não só o ritmo das trocas econômicas mas também das relações culturais entre diferentes partes do mundo. E as ferramentas automáticas não vieram diminuir o papel do tradutor; pelo contrário, ele deve agora saber utilizar programas informáticos especializados (“CAT Tools”), e não se valer só do dicionário.

Mas há uma grande área que se distingue da tradução geral, que é a tradução técnica. Sabe a diferença?

Traduzindo qualquer documento

Um serviço de tradução técnica atende as necessidades de áreas de conhecimento ou linguagem específicas. Pegue como exemplo um documento técnico na área da engenharia informática. Poderia ser um manual com todas as introduções acrescentadas à última versão de um software. O tradutor precisaria saber inglês, certo; mas precisaria também perceber de engenharia informática. Tradução técnica é necessária quando o tradutor precisa ser um perito na área em questão.

Atenção ao jargão dos profissionais de tradução

Os profissionais do ramo de tradução podem divergir uns dos outros sobre a classificação do que é tradução técnica. Alguns profissionais “freelas” e empresas são mais generalistas e chamam de técnica qualquer tradução que exija um perito na matéria, como vimos no parágrafo anterior.

Outros são mais específicos e preferem chamar de tradução técnica aquela que se aplica a uma área de engenharia. Não importa qual (pode ser engenharia aeroespecial, química, civil, etc.), desde que o texto “chame” alguém com diploma de engenheiro e, de preferência, certa experiência profissional na área. Para outras áreas de tradução “complexa” (se não quisermos chamá-la de técnica), eles aplicam a expressão relativa à área. Assim, por exemplo, temos “tradução médica” quando aplicada a documentos que precisem um médico, independente da área. Temos também, por exemplo, “tradução acadêmica”, quando o texto é relativo a investigação ou estudos científicos.

A questão da linguagem

É importante notar que não basta ser perito em uma área e saber o idioma de origem para estar pronto para traduzir. É preciso ser… tradutor, claro! A tradução envolve competências próprias na área da língua. É preciso dominar o idioma estrangeiro e também o português, para conseguir produzir um texto de qualidade.

Além disso, a tendência mais recente em tradução aponta para um fato surpreendente: a utilização de termos técnicos em um texto técnico é bem mais reduzida do que se possa pensar, ficando entre 5 e 10%. Tudo o resto é linguagem normal, pelo que o resultado vai depender bastante da competência linguística do tradutor. É preciso não esquecer, por exemplo, o público que vai ler o documento. Traduzir um manual de instruções sobre a última “build” de um software, que vai ser lido por engenheiros informáticos, não é o mesmo que traduzir o manual de instruções de um eletrodoméstico, que será lido por um público muito alargado.

O valor superior da tradução técnica

Se você é especialista em uma dessas áreas técnicas, já pensou que poderia ganhar algum dinheiro extra enquanto tradutor especializado? Além disso, seria uma forma de aumentar ou reforçar seus conhecimentos nessa área. Procure formação como tradutor e mantenha suas portas abertas.

2020-09-29T17:01:06-03:0029 setembro, 20|Carreira, Mercado de Trabalho|

Deixar um comentário

Ir ao Topo